The Patchwork Dog and Basket

23 de fevereiro de 2016

Passei minhas férias de janeiro no interior da Inglaterra, fugindo do “hot summer” brasileiro. [Sim, eu prefiro o inverno e não sou louca (kkk)]. Fiquei hospedada por duas semanas numa casa de família, na cidade de Eastbourne, a 35 km da famosa e agitada Brighton. Dentre tantos passeios desta primeira experiência internacional, um dos mais legais foi para cidade de Lewes, cujo principal atrativo turístico é um castelo construído nos anos 1069. A viagem até lá durou 20 minutos, de trem, partindo da Estação de Eastbourne.

Estação de Eastbourne

Tal castelo é encantador por seu estilo normando e pela vista panorâmica da cidade, que possui ares medievais, com suas ruazinhas labirínticas e casinhas fofas. Ao comprar o ingresso no Museu Arqueológico de Sussex, você recebe a chave para abrir os portões do Castelo de Lewes. Logo na entrada, é possível avistar: os jardins, onde hoje são realizados casamentos, um canhão russo, tido como “troféu” de guerra, e a graciosidade do pequeno castelo no alto do morro. É um SO-NHO!

Iniciando pelo barbacã, para chegar ao topo, subi os degraus da escada caracol com dificuldade. A circunferência do espaço é tão estreita que mal couberam eu e minha mochila pendurada nas costas. Lá em cima, você se sente um arqueiro. Só falta o arco e a flecha para atirar contra os invasores (kkk). Desci e fui para o lado oposto. Há uma escadaria para chegar até o castelo e outra escada caracol para alcançar o pico. Como ventava muito e o tempo nublava, permaneci o tempo suficiente para fotografar e contemplar a paisagem.

Castelo de Lewes visto do barbacã
Barbacã visto do castelo de Lewes

Ao sair pelos portões do castelo, fui em direção ao arco do barbacã, passando por baixo dele para explorar os arredores. A maior parte das casas que compõem o conjunto arquitetônico, hoje, é propriedade particular. Então, o máximo que você pode fazer é caminhar pelas ruas para sentir a cidade. Foi nesta caminhada que encontrei uma adorável lojinha de patchwork: The Patchwork Dog and Basket, administrada por mãe e filha, Jill and Josie, desde 2004. Ai, ai... Fiquei tão realizada!

Pelos arcos do barbacã se chega à loja de patchwork

O nome da loja é uma homenagem aos cachorrinhos Freddie e Myrtle, que fazem parte da equipe e recepcionam as clientes. A logomarca foi utilizada como molde para uma almofada em formato de Scottish Terrier, principal produto da loja, e a receita com os tecidos já cortados são vendidos numa mini-cestinha, além de uma sacola retornável para customizar. Admirei tanto a originalidade destes produtos que os trouxe para casa! Obviamente, foi enlouquecedor, mas tive que me conter para economizar porque havia mais uma semana de viagem pela frente.

Atrás do castelo havia uma lojinha de patchwork
Entre tantos tecidos, linhas, botões e aviamentos, disponíveis na The Patchwork Dog and Basket, observei que os materiais para patchwork não são mais baratos como dizem, não. É muito similar ao preço praticado no Brasil. Por este motivo, optei por comprar algo que não fosse encontrar aqui tão facilmente, com preço compatível ao meu bolso e possível de carregar na mala. Com certeza, a almofada de cachorrinho foi uma ótima escolha. Prometo, em breve, postar aqui uma foto da peça pronta, que é uma graça para presentear crianças.

***

Foi no castelo de Lewes que ocorreu a Batalha de Lewes (1264), na qual as tropas de Simão de Montforte, representando os barões ingleses, lutaram contra as do Rei Henrique III. O baronato exigia maior participação nas negociações com o governo da dinastia plantageneta, supervisionando todas as ações deste através de um conselho de classe. Nesta Batalha, o Rei e o Príncipe Eduardo I são capturados e feitos prisioneiros no castelo de Lewes. Um ano depois, o Príncipe consegue fugir para derrotar Simão, na Batalha de Evesham, e libertar o pai.

Um comentário :

  1. Grata pelo turismo on line ao contar suas experiências da viagem a Inglaterra.

    ResponderExcluir

ATELIÊ PORTO POÁ - Copyright © 2014 - Todos os Direitos Reservados